21ª Festa do Morango de Brasília 2016


Compartilhe

Data / Hora 02/09/2016 - 11/09/2016 / 09:00 - 23:30

Localização (clique para o MAPA)
Festa do Morango de Brasília
Alexandre de Gusmão - Brasília-DF


21ª Festa do Morango de Brasília 2016

Está procurando pela Festa do Morango 2017, clique aqui

 

21-festa-do-morango-de-brasilia600x315

Morango


Conheça os morangos plantados em Brasília, na região de Brazlândia-DF, na 21ª Festa do Morango de Brasília 2016. Saboreie os deliciosos morangos, frescos, em tortas, doces, geleias, compotas ou sorvetes. Shows com música (a noite) e culinária japonesa. A primeira semana começa na sexta, dia 02, até o domingo, 04 de setembro/2016, e continua na semana seguinte dias 09, 10 e 11/setembro.

Data

Sábados e Domingos a partir das 9h.

Dias 02, 03, 04, 09, 10 e 11/09/2016

Ingresso

ENTRADA FRANCA

Concurso da Rainha do Morango 2016

Desfile das candidatas para escolha da Rainha do Morango 2016, dia 27 de agosto. Inscrições abertas (61) 98161-6225 – Juliana Campos (Celebre Produções).

Concurso de Receitas

Participe, também, da 12ª edição do Concurso de Receitas de Morango.

Morangolândia

Na Morangolândia são vendidas caixas de Morango fresquinhos, diretamente dos produtores para os consumidores por preços bem camaradas. Além de deliciosos pratos da culinária japonesa (Yakisoba, Camarão, Tempurá, Okonomiyaki, Sushi, Guioza, Udon, Sucos e Tortas de Morango) nas Barracas estabelecidas, bem como outras atrações. (na sexta-feira a partir das 17h, no Sábado e no Domingo de manhã até à noite com diversos Shows).

Programação

Veja aqui a programação da Festa do Morango de Brasília 2016

Localização

arcag-mapa-600x315

Saiba mais

Programação da 21ª Festa do Morango de Brasília 2016

12º Encontro Técnico do Morango Dia Especial e Palestras técnicas 2016 Brasília

Conheça a Associação Rural Cultural Alexandre de Gusmão – ARCAG – Brasília-DF

A colônia japonesa do núcleo rural Alexandre Gusmão ARCAG é a organizadora da Festa do Morango, uma tradição que é sucesso nestes 13 anos de realização. E foram os japoneses que, no início da década de 70, trouxeram as primeiras mudas de morango para o Distrito Federal. Alguns anos mais tarde, em idos de 90, a Emater-DF divulgou tecnologias de produção no cerrado a todos os produtores da região e, com os avanços, a cultura do morango tornou-se viável para o agricultor mesmo durante o período das secas.

Concentra-se na região de Brazlândia a maior produção de morangos do DF com cerca de 70 hectares de plantação (cerca de 5 milhões de mudas produzindo 2.000 toneladas da fruta). Em agosto ocorre o pico da produção de morangos que é colhido de maio a outubro, propiciando crescimento da economia local e criação de muitos empregos diretos.

[social_share style=”bar” align=”horizontal” heading_align=”inline” text=”” heading=”” facebook=”1" twitter=”1" google_plus=”1" linkedin=”1" pinterest=”1" link=”” /]

 

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 pensamentos em “21ª Festa do Morango de Brasília 2016

  • RAFAEL AMORIM DOS SANTOS

    Festival do Morango 2016, DECEPÇÃO
    Estacionamento: Logo de entrada, todos que vão a festa em seus devidos carros são surpreendidos por uma cobrança indevida e nada transparente no valor de R$ 15,00 (10/09/2016). Logo em um evento que o Governo e a Mídia deixam evidente “Entrada Gratuita”, em letras gritantes no site da própria festa. Os carros são colocados no barro, ao sol torrencial do dia, sob nenhuma proteção. Num pretexto de segurança e comodidade, diversas faixas dividem o descampado, criando um, mar de vagas e receitas questionáveis para a organização do evento.
    Morango a preço de Mercado: Não há nada mais curioso que isso. Numa festa onde se prestigia o morango e toda sua qualidade e abundancia, todos, simplesmente todos estandes de venda disponibilizam seus produtos ao mesmo preço que podem ser encontrados em mercados ao lado de casa. Sob a mesma qualidade, visto que são os mesmos fornecedores.
    Artesanato Fraco: A festa usa como atalho de entretenimento, exposições e vendas de produtos artesanais, tanto locais quanto de outras cidades. Oque é desagradável é constatar a qualidade medíocre dos trabalhos e os altos preços que são colocados. A meu ver, tudo bem, não me interesso por artesanato, tenho conhecimento, mas não adquiro. Mas, tanto expositores quanto quem produz as peças, só afastam ainda mais toda a clientela em potencia que poderia se aventurar dos trabalhos, que de forma desproporcional, tentam se impor.
    Exposições sem sentido: Uma exposição de frutas e verduras sob uma tenda é feita, mas com total falta de sentido. Os produtos não podem ser tocados, comprados, nada, apenas observados, tremendamente vago e desnecessário.
    Restaurante abusivo e monopólio de refeições: Primeiramente, o monopólio da comida está presente. Só existe um restaurante (comida do dia a dia) em todo festival. E o preço não é nada convidativo, com toda certeza quem vai não volta. Com uma apresentação encantadora de suas carnes, mas com preços totalmente incoerentes e abusivos, acaba fisgando as pessoas a uma armadilha dos preços inquestionáveis.
    Falta de Espaço: Nunca vi um evento tão sem capacidade de manter seus convidados envolvidos e acomodados de forma a ficar, lá é assim, quer comer, senta e come, quer ver, ver e vai embora, quer comprar, compra e sai. Não há nenhum espaço de aguardo para os próximos acontecimentos. Fui com minha família às 10 da manhã, às 01 da tarde já não havia mais o que ver ou fazer. Simplesmente assim, sem graça, sem contexto sem explicação de nada, caro e abusivo, desde a entrada até a saída.