Romancista Kazuo Ishiguro recebe o Prêmio Nobel de Literatura   Conteúdo atualizado!


Compartilhe

Romancista Kazuo Ishiguro recebe o Prêmio Nobel de Literatura

romancista-kazuo-ishiguro-recebe-o-premio-nobel-de-literatura476x249

Kazuo Ishiguro (Reprodução/Facebook)

Kazuo Ishiguro, escritor britânico nascido no Japão, foi laureado com o Prêmio Nobel de Literatura de 2017.

O romancista Kazuo Ishiguro, foi morar na Inglaterra ainda criança, no entanto, suas primeiras obras remetem ao cenário e à temática japonesa, a exemplo das publicações “Uma Pálida Visão dos Montes” (1982) e “Um Artista do Mundo Flutuante” (1986). Segundo o primeiro-ministro Shinzo Abe, “o Japão é lar de um grande número de fãs de Ishiguro” complementou ao parabenizá-lo por esta conquista. Uma notícia que enche de orgulho e alegria os nikkeis do mundo.

Kazuo Ishiguro define-se com um autor que aspira escrever novelas internacionais. Em 1989, foi agraciado com o Prêmio Man Booker com o romance histórico “The Remains of the Day“, materializado no filme “Vestígios do Dia” interpretado pelos atores Anthony Hopkins, Emma Thompson e Christopher Reeve.

Publicações de Ishiguro


Ficção

  • “A Pale View of Hills”, 1982 (Uma pálida visão dos montes)
  • “An Artist of the Floating World”, 1986 (Um artista do mundo flutuante)
  • “The Remains of the Day”, 1989 (Os vestígios do dia)
  • “The Unconsoled”, 1995 (O Inconsolável)
  • “When We Were Orphans”, 2000 (Quando Éramos Órfãos)
  • “Never Let Me Go”, 2005 (Não me abandone jamais)
  • “The Buried giant”, 2015 (O Gigante Enterrado)

Contos

  • Contos publicados em “Introduction 7: Stories by New Writers”, 1981
  • “A Family Supper”, 1982 (Uma ceia em Família)
  • “Nocturnes: Five Stories of Music and Nightfall”, 2009

Roteiros (para Cinema)

  • “The saddest music in the world”, 2003 (A Canção mais triste do Mundo)
  • “The White Countess”, 2005 (A Condessa Russa)

Japoneses com Nobel de Literatura

Outros dois laureados com o Nobel de Literatura, também, de origem japonesa, são Oe Kenzaburo, em 1994, e Kawabata Yasunari, em 1968.

Facebook de Kazuo Ishiguro

www.facebook.com/KazuoIshiguro/

 

Compartilhe